Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 21 de abril de 2007

Aloé Vera

A folha suculenta da planta de Aloé Vera é uma das mais veneradas plantas medicinais terapêuticas da natureza. Desde sempre, a Aloé Vera tem sido largamente encarada como uma planta curativa milagrosa. Muitas civilizações notaram os extraordinários benefícios do Aloé. Documentos históricos e religiosos de Egípcios, Romanos, Gregos, Hebreus, Chineses, Indianos (da Índia), Argelinos, Marroquinos, Tunisinos e Árabes relatam a sua eficácia tanto para uso interno como externo.


Em 1967, fui contratado para fazer pesquisa no 11 Laboratório de medicina laser do mundo no Hospital Infantil de Cincinnati, no Ohio. Todos os dias, depois de terminar as minhas experiências, ía para a sala onde estavam os animais sujeitos às experiências para os ajudar a curar as queimaduras de laser a que eram sujeitos.


Após ter utilizado diversos preparados, observei que o gel de Aloé Vera permitia a mais impressionante cicatrização de vários problemas de pele, inclusivamente, queimaduras, lesões e cancro. Tive, também, a oportunidade de testar o gel em mim próprio, depois de uma queimadura de laser, e nalguns doentes no laboratório. De todas as vezes, o Aloé produziu resultados impressionantes, consistentes e rápidos. Estudos científicos confirmam que o Aloé Vera é eficiente num extraordinário número de patologias internas e externas. As utilizações mais comuns para o Aloé Vera são como digestivo, anti-inflamatório, cicatrizante, laxante, desintoxicante, agente de limpeza, hidratante, para gastrites, úlceras, queimaduras, colites, eczemas, artrites, dores de estômago por causas nervosas, pequenos golpes e picadas de insectos.


A Aloé Vera alivia e trata problemas de pele, incluindo golpes, queimaduras, arranhões, picadas de pequenos insectos não venenosas, erupções cutâneas entre outros problemas dermatológicos, quando suavemente esfregada com gel de aloé. As queimaduras cicatrizam muito mais rapidarnente que se fossem ignoradas. A aloé é muito conhecida em centros traumáticos na Califórnia, Illinnois, Nova Iorque, Texas e outros Estados, para o tratamento de queimaduras.


Uma das razões pela qual o Aloé tem grandes efeitos benéficos, rnesmo quando apenas aplicado na superfície da pele, é a sua impressionante capacidade de ser absorvido pela pele. Estudos provam que o Aloé produz na pele um efeito


anti-envelhecimento tão forte como o ácido retinólico, no entanto, ao contrário do ácido retinólico, os polissacarídeos contidos no Aloé não irritam a pele.


Aloé Vera é um anti-inflamatório e protege o sistema imunológico da pele. Contém ingredientes que neutralizam as substâncias estranhas e nefastas da pele, ajudando as células do sangue a eliminar esses micróbios antes de se espalharem pelo organismo. São estas substâncias anti-inflamatórias que permitem ao Aloé tratar o acne e outras irritações da pele.




A Aloé diminui a transpiração, ajuda na eliminação de odores causados por bactérias, ajuda a manter a pele hidratada e serve como um desodorizante natural, entre muitos outros benefícios que produz na pele. Segundo a naturopatia, a Aloé Vera é também útil no tratamento dos seguintes sintomas: febres, doenças de pele, prisão de ventre, falhas menstruais, gonorreia, icterícia, doenças reumáticas, hemorróidas, constipações e tosses, hidropisia, ciática, lumbago, reumatismo, retenção de urina, indigestões, flatulência, tumores da zona abdominal, carbúnculos, espasmos musculares durante a rnenstruação, úlceras, colites, inflamações, vaginite e cervicite, conjuntivite, e para alargamento ou inflamação do figado, baço ou outras glândulas.


A maior concentração de Ingredientes Activos, os mucopolissacarídeos que surgem naturalmente, encontra-se no gel. A densa seiva amarela que se encontra mesmo por baixo da superficie interior da casca da folha pode ser amarga, indigesta, possivelmente abrasiva, difícil de purificar, contendo também antraquinona, a que se dá o nome de aloína, o que pode funcionar como um desagradável e irritante laxante, causando severas dores abdominais. A preparação a frio do Aloé retira a irritante aloína do aloé, e deixa um gel que está actualmente provado que traz muitos benefícios terapêuticos para o corpo.




É de notar que os primeiros ingredientes activos de outras plantas medicinais estimulantes do sistema imunológico conhecidas, como por exemplo a equinácea, astrágalo e os cogumelos orientais, são os seus polissacarídeos. Muitos dos benefícios terapêuticos do Amexilhão do mar de lábios verdes@, da sopa de barbatana de tubarão - a veneração terapêutica dos Orientais - e das anti-cancerigenas cartilagens de tubarão são todos devidos aos polissacarídeos mucilaginosos naturais (mucopolissacarídeos).


Todos os produtos de Aloé Vera contém mucopolissacarídeos naturais ? Não. Muitos produtos contém poucos, se alguns, mucilaginosos mucopolissacarídeos devido a ineficazes processos de produção que destroem os mucopolissacarídeos naturais presentes no Aloé. Quando a planta de Aloé Vera é colhida, infelizmente liberta-se uma enzima que começa rapidamente a decompor os polissacarídeos mucilaginosos do Aloé Vera em simples açucares. É por esta razão que o ideal seria uma planta fresca, cortada à mão. No entanto, o processo pelo qual a Aloé Vera é colhida e de imediato feita a preparação a frio mantém, aparentemente, as mesmas características.
A estabilização e padronização dos polissacarídeos mucilaginosos naturais, um importante componente imune do Aloé Vera, permite obter, a partir dos polissacarídeos mucilaginosos naturais não pasteurizados do aloé, um gel ou sumo uniforme, de confiança, eficaz, seguro, para além dos nutrientes sinérgicos, como é o caso das vitaminas e dos minerais.




Algumas empresas procedem à evaporação do Aloé, geralmente com maltose. Este processo diminui substancialmente os verdadeiros polissacarídeos mucilaginosos naturais do Aloé Vera, resultando assim num produto que contém polissacarídeos mucilaginosos resultantes da maltose.


Tem sido provado que o Aloé Vera melhora o sistema imunológico. Estimula a produção de macrófagos, linfócitos, fagócitos, glóbulos brancos e citocines - todos importantes componentes do nosso sistema imunológico. Tem sido também mostrado que o Aloé tem uma actividade anti-viral e anti-fungicida. As investigações realizadas indicam que os polissacarídeos mucilaginosos presentes no Aloé têm largas potencialidades terapêuticas em muitas doenças humanas e animais, incluindo o cancro, a SIDA e outros distúrbios imunológicos. 0 Aloé Vera é não tóxico e muito estável. A segunda fase do estudo dos polissacarídeos mucilaginosos orais do aloé como um complemento do AZT no tratamento da SIDA foi concluída com sucesso no Canadá.


FDA concedeu autorização para se continuarem os estudos clínicos no homem de um polissacarídeo rnucilaginoso oral de Aloé no tratamento de ataques agudos de colites, os quais foram já iniciados em 4 centros médicos diferentes. A pesquisa efectuada indica que o aloé gel é benéfíco no tratamento de feridas e ulceras cancerosas.


Tem sido provado que o Aloé Vera ajuda no tratamento do cancro, de viroses, de doenças imuno- reguladoras e respiratórias, de infecções e de inflamações. Estudos utilizando células sanguíneas humanas in vitro demnonstraram que o Aloé Vera estimula a libertação dos factores cancerígenos das necroses e produz outras actividades anti-cancerígenas.


Aloé pode revelar-se eficaz em casos de rinites alérgicas (febre dos fenos, que ataca cerca de 20 milhões de americanos), em aftas e em herpes labiais. 20% da população americana sofre de aftas ou feridas cancerigenas, enquanto a herpes labial, também conhecida como herpes febril, surge em cerca de 20% - 30% da população.


Desde o início da utilização do raio x, e consequentemente da radioterapia, os médicos constataram que a radiação pode causar reacções da pele bastante graves.




Qualquer produto de protecção contra as graves reacções cutâneas à radiação, actua quer externamente, cicatrizando a pele, quer internamente, estinulando vários processos imunológicos. Nesta acção, o Aloé é único, sendo extremamente eficaz interna e externamente. Vários estudos de investigação provam a eficácia do Aloé Vera na prevenção e tratamento de reacções às radiações. Por exemplo, emulsões de sumo de aloé foram aplicados em 260 doentes, após terem sido submetidos a tratamentos radioactivos. Os investigadores alegam que as emulsões são de longe mais terapêuticos na redução das reacções cutâneas causadas pela radiação que a maior parte dos preparados sintéticos. Defendem que as emulsões são Aindicadas para a prevenção do desenvolvimento de reacções localizáveis originadas pela radioterapia, para o tratamento de epidermes secas ou gordurentas (inflamações da camada exterior da pele) e para o tratamento de queimaduras radioactivas do 2E e 3E graus. 0 Aloé acelera igualmente o processo de regeneração da pele, assim como o normal crescimento das células, sendo também uma boa ajuda no tratamento de outros problemas dermatológicos.


Outros investigadores descobriram que o sumo de Aloé Vera consegue óptimos resultados no tratamento das reacções causadas pela submissão das pessoas a radiações, radioterapia e raios x. Uma série de testes efectuados nos anos 60 em vários hospitais mostraram que o creme de aloé é 50% melhor que 3 outros produtos considerados os mais indicados para o tratamento de queimaduras.


Após rever um longo estudo científico sobre o Aloé Vera, a FDA declarou em 1959 que Ade um modo geral admite que o Aloé Vera regenera na verdade os tecidos da pele@.


Todos os ano, as pessoas são expostas a mais de 6.000 poluentes químicos e de 200 toxinas radioactivas, o que poderá causar uma larga quantidade de infecções, inflamações e dores graves interna e externamente. Os investigadores afirmam que o Aloé Vera contém propriedades anti-bacterianas, anti-inflamatórias e de alivio de dores.


Aloé auxilia no crescimento e reparação dos tecidos do organismo. Ajuda a manter uma pele macia, suave e saudável. Internamente, o aloé gel ou o sumo de aloé, ricos em polissacarídeos naturais e em vitamina A/betacaroteno, fortalecem as paredes das células e protegem as suas membranas mucosas, ao mesmo tempo que reduz a susceptibilidade de contrair infecções. Ambos, actuam como anti-oxidantes e combatem os efeitos dos poluentes químicos e radiações presentes na atmosfera.


A aloína é a seiva amarela que se encontra na camada verde exterior da folha de Aloé Vera. Uma vez que a aloína é um laxante extremamente forte, e que pode oxidar e descolorar o Aloé Vera gel, os sumos e geles de Aloé Vera de alta qualidades não deverão conter mais que 50% o de aloína. Quanto menos tiver, melhor.


Porque é tão importante a preparação a frio/não pasteurizada do aloé vera ? É importante preparar a frio o Aloé Vera para reter a sua maior eficácia. Se forem utilizadas altas temperaturas durante qualquer parte do processo de produção dos produtos de Aloé Vera, os numerosos constituintes activos terapêuticos naturais do Aloé Vera serão destruídos.


Aloé Vera não é uma, panaceia, nem tão pouco é a cura para a maioria das doenças, como muitas pessoas já o promoveram. No entanto, utilizado de forma apropriada nas doenças em que a sua acção é conhecida, o Aloé Vera é um poderoso cicatrizante que tem sido utilizado à milénios com sucesso.


Steve Schechter, é um naturopata
autor do livro Combatendo a Radiação e Poluentes Químicos com os Alimentos, Plantas Medicinais e Vitaminas

0 comentários: