Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

sábado, 31 de março de 2007

Suco de romã pode ajudar a diminuir o avanço do câncer de próstata.

Suco de romã ajuda a frear câncer de próstata, diz estudo
Romãs
Fruta também reduz risco de doenças cardiovasculares
Uma nova pesquisa feita nos Estados Unidos indica que o suco de romã pode ajudar a diminuir o avanço do câncer de próstata.

O novo estudo, da Universidade de Wisconsin, publicado na revista acadêmica Proceedings of the National Academy of Sciences.

Segundo os cientistas, testes em ratos mostraram grande redução no ritmo de multiplicação desse tipo de célula cancerígena na presença do extrato de romã.

Pesquisas anteriores já haviam mostrado que o extrato ajudava a combater tumores na pele de ratos. Outro estudo, de cientistas israelenses, já comprovou a tese de que um copo de suco de romã por dia reduz os riscos de doenças cardiovasculares.

Benefícios da fruta

A romã, fruta que tem origem no Oriente Médio, possui substâncias antioxidantes e antiinflamatórias que ajudariam no tratamento de doenças.

A equipe da Universidade de Wisconsin iniciou o estudo testando o efeito do suco de romã sobre culturas em laboratório de células humanas de câncer de próstata.

Na experiência, eles descobriram que o extrato da fruta matava as células cancerosas. Quanto maior a dose, mais células morriam.

Em seguida, os pesquisadores injetaram células humanas de câncer de próstata em ratos e depois administraram a um grupo dessas cobaias uma dose de água pura, enquanto outros dois grupos receberam água com porcentagem de 0,1% ou 0,2% de suco de romã.

O avanço do câncer foi reduzido de forma significativa nos ratos que receberam a maior dosagem de suco de romã.

"Há bons motivos agora para testar esta fruta em seres humanos, tanto para a prevenção quanto para o tratamento de câncer", disse Hasan Mukhtar, que liderou a pesquisa nos Estados Unidos.

Fonte BBC Brasil

0 comentários: