Qr Code do blog

Qr Code do blog
Qr Code do blog

Rss

Contacto

Blog Archive

Followers

Follow by Email

Add me on Facebook

NutriViva Tv



Total de visualizações de página

quarta-feira, 21 de fevereiro de 2007

Anorexia e cancro na mama

Segundo uma edição recente do «Tomorrow’s Journal of the American Medical Association», as mulheres hospitalizadas com anorexia nervosa antes dos 40 anos têm menos 53% de probabilidades de desenvolver o cancro da mama, em relação às restantes mulheres que seguiram um regime alimentar normal. O estudo foi feito com base num universo de 7 303 mulheres suecas que desenvolveram anorexia na sua juventude.

Segundo os autores, a causa mais provável para estes resultados é a ingestão muito baixa de calorias, típica das anorécticas. A diética hipocalórica baixa os níveis quer de estrogénio quer de insulina no sangue, estando estes valores associados ao risco de poder vir a desenvolver cancro na mama.

A anorexia, é uma doença que afecta sobretudo jovens adolescentes do sexo feminino. Mas pode afectar pessoas de ambos os sexos e de idades variadas. A característica mais comum é a perda de peso, associada a uma alteração do comportamento. A referida perda de peso é lenta mas progressiva. Normalmente tem início com uma dieta normal, podendo também ocorrer de forma brusca como consequência de uma restrição alimentar acentuada. As primeiras preocupações surgem com a insistência nessa mesma dieta durante vários meses e com uma exagerada perda de peso.
Os principais comportamentos são a preocupação extrema com a beleza do corpo e com a forma ideal que se quer ter. O espelho é normalmente o elo de interpretação que mais perturba uma anoréctica, pois quando se vê ao espelho nunca se vê suficientemente elegante e bela, cujos adjectivos para ela são sinónimos de magreza extrema.

Uma anoréctica que ainda está em fase de dieta pode chegar a restringir a sua alimentação até ao ponto de chegar a ingerir só um tipo de alimento, como, por exemplo, só bolachas de água e sal, ou só alface, ou só maçãs durante o dia todo. Progressivamente, e à medida que a doença vai avançando, a jovem anoréctica vai espaçando mais os intervalos entre refeições, assumindo comportamentos evasivos no que toca às refeições em grupo com amigos ou família. A maior parte destas doentes pode chegar a viver anos sem ninguém notar a sua doença, até que chega a um extremo em que já pode ser muito tarde e a recuperação é, em geral, lenta. O jejum e o exercício físico exagerado são preocupações principais de uma anoréctica, de forma a compensar tudo aquilo que ingere com o pânico de engordar.

Existem dois tipos de anorexia: a do tipo restritivo e a do tipo bulímico. As diferenças principais são que na anorexia de tipo bulímico a doente tende a recorrer ao vómito induzido e ao uso indiscriminado de laxantes e/ou diuréticos. Em qualquer dos casos a anorexia atinge sempre o extremo mais grave quando nas raparigas ocorre a falta de menstruação (amenorreia) e nos rapazes a impotência sexual.

Os sintomas orgânicos tendem a caracterizar-se por esta ordem:

* Redução do metabolismo;
* Alteração dos ritmos cardíaco e respiratório;
* Disfunções gastro-intestinais;
* Amenorreia (nas mulheres)/Impotência sexual (nos homens);
* Osteoporose;
* Perturbações do sono e do humor;
* Dores de cabeça, vertigens, cara e tornozelo inchados, perda de cabelo, cáries dentárias, etc.



Podem ocorrer fenómenos de desidratação e inclusivé, se a pessoa que sofre de anorexia não tem ninguém que a vigie, pode conduzi-la à morte. Quando ocorre a hospitalização destas mulheres, normalmente, já estão em estado de desidratação profunda e têm de ser alimentadas a soro e socorridas de forma imediata. A melhor forma de incentivar estas jovens à cura é ir tentando incluir todo o tipo de alimentos de forma variada e conforme a pirâmide dos alimentos, constituindo assim um regime equilibrado. Normalmente estas jovens precisam de muito incentivo, quer de familiares, quer de amigos, quer de médicos e/ou psicólogos. Nem sempre existe esse apoio e não são raras as vezes que elas têm recaídas ou entram em depressão.

A anorexia é uma doença que pode ocorrer em mulheres que optam por regimes hipocalóricos, mas tal não é definitivamente o caso das pessoas que optam pelo regime vegetariano, pois conforme revela o título Como enfrentar a Anorexia e a Bulimia, de Alessandra Callegari e Donatella Scaparra: «Para o vegetariano, o objectivo é viver em harmonia com o próximo e com a natureza. O vegetariano é geralmente uma pessoa aberta, que não se isola, mesmo quando critica quem come carne ou come desregradamente, o que no máximo o torna aborrecido. Por outras palavras, o vegetariano centra a sua atenção na vida e não no peso!». De acordo com a mesma fonte, a única coisa que acontece quando se adopta o regime vegetariano, tal como qualquer outro regime, é uma quebra brusca de peso devido à adaptação de um novo regime, mas tal não significa que se tenha ficado anoréctico. Em geral, o vegetariano, uma vez atingido o valor ideal de peso, continua a mantê-lo, optando por um regime específico equilibrado.

O aviso para a saúde pública, do estudo com as anorécticas suecas, é o de escolher preferencialmente um tipo de alimentação baixo em alimentos hipercalóricos e rico em fibras, evitando uma ingestão excessiva de calorias mas embora mantendo uma nutrição completa.

Referências:
Alessandra Callegari e Donatella Scaparra, Como enfrentar a Anorexia e a Bulimia, 1ª ed., Editorial Estampa, Lisboa, 2000.
http://www.comportamentoalimentar.pt
http://www.pcrm.org/news/archive040310.html

0 comentários: